Aguardado no Brasil, Toyota C-HR surpreende na Europa sem diesel.

Aguardado no Brasil, Toyota C-HR surpreende na Europa sem diesel.

O Toyota C-HR é uma resposta tardia do fabricante nipônico ao crescimento das vendas de utilitários esportivos no mundo. Assim como a Volkswagen, a empresa esperou muito para ter seu primeiro crossover compacto. No entanto, as respostas ao modelo mostram que a marca poderia ter vendido bem mais anteriormente.

De qualquer forma, a Toyota ainda não tem um “primo pobre” do C-HR, o que elevaria ainda mais os números. Ainda assim, o modelo mais sofisticado é vendido na Europa e está emplacando muito bem. O crossover já vendeu mais de 31 mil unidades no continente em 2017 e a previsão de 100.000 unidades/ano para a região, subiu para 110.000. Mas o que surpreende não é o volume de vendas, mas o que está sendo emplacado por lá.

O Toyota C-HR não tem motor diesel em nenhum mercado. Alguns países da União Europeia apresentam a opção do motor 1.2 Turbo de 114 cv. Em todos, no entanto, o que se oferece é a versão Hybrid, que entrega apenas 122 cv de forma combinada. Cerca de 80% das vendas do modelo na Europa são da opção híbrida.

Praticamente todos os rivais do Toyota C-HR precisam ter um ou mais motores diesel em seu lineup, para que possam emplacar bem. Em média, os líderes entre os SUVs compactos emplacam de forma geral em torno de 200.000 unidades por ano. Então, até que o japonês está em boa posição. O objetivo da marca é exatamente esse, oferecer o crossover como um híbrido.

Por aqui, o Toyota C-HR até poderia ser oferecido com motor 2.0 do Corolla e uma caixa CVT para satisfazer os clientes da marca, mas uma opção híbrida faz mais sentido quando a empresa tem a meta de ampliar a comercialização desse tipo de veículo no país. Para fazer volume, um SUV baseado no Etios deve ser a saída para competir numa faixa abaixo dos R$ 100.000. Deve-se lembrar que o SUV mais vendido nos últimos meses não custa menos que o valor citado acima.

Fonte: Diário Motor

2017-06-09