Subaru WRX STI pode retornar como híbrido nos próximos anos

Subaru WRX STI pode retornar como híbrido nos próximos anos

O Subaru WRX STI tem boas chances de surgir no futuro como um híbrido de alta performance. O conceito Viziv mais recente revela um sedã esportivo com linhas não muito distantes da realidade e uma proposta de desempenho que não poderia ser totalmente purista, sem qualquer auxílio elétrico para ampliar os números.
Para muita gente, trocar o boxer puro e simples por um sistema híbrido plug-in pode ser o fim, mas não há escapatória para os fabricantes mundiais, mesmo os de esportivos. Uma hora terão de introduzir a eletricidade como segunda fonte de energia. No caso do Subaru WRX STI, isso poderia ser feito sem a exclusão total do boxer turbinado, mas a transmissão teria de ser uma CVT altamente avançada ou uma caixa de dupla embreagem.
Além disso, um ou dois motores elétricos poderiam ser introduzidos, mas como mostra o Subaru Viziv Performance Concept, o propulsor a gasolina deve não só estar presente em uma futura proposta para o WRX STI, como também teria uma cavalaria ampliada. Hoje em dia, as empresas estão explorando ao máximo a preparação dos motores e o boxer com dois turbos, quem sabe até um deles elétrico, mais um conjunto de propulsores elétricos daria ao sedã esportivo um desempenho muito superior ao atual.
O próprio Impreza, com base no que o conceito revela, pode também adotar uma versão híbrida plug-in para ajudar a reduzir as emissões, mas num pacote de energia bem inferior, tendo ainda um intermediário para o WRX. Ambos poderiam manter o câmbio CVT com gerenciamento eletrônico e o sistema de tração S-AWD, introduzindo um propulsor elétrico no mesmo nível do motor/câmbio, talvez entre os dois, além de um pacote de baterias devidamente bem próximo do ponto de equilíbrio do carro.
Por ora, pouco se sabe sobre a proposta de hibridização da Subaru. Porém, ela não deve vir sozinha, já que a eletrificação total também é outro ponto delicado, especialmente no caso de esportivos tradicionais como o STI. Para alcançar essa etapa, a marca japonesa deve seguir os passos da Mazda e da Toyota, indo até o limite possível com seus motores a gasolina, mesmo que num pacote plug-in, a fim de manter os puristas ainda como clientes.
A partir daí, apenas uma performance fora do comum, já experimentada com os P100D da Tesla, por exemplo, poderia fazer uma parte dos clientes mudar de lado. O horizonte da eletrificação traz design, desempenho e até autonomia superior, mas com o condutor cada vez menos importante na tocada do carro.
Fonte: noticiasautomotivas 

2018-01-03