PSA anuncia eletrificação de todos os modelos até 2025

PSA anuncia eletrificação de todos os modelos até 2025

Carlos Tavares, CEO da PSA, anunciou um plano de eletrificação de todos os modelos do grupo francês até 2025. A ação envolve todas as marcas da empresa, incluindo Opel e Vauxhall. Além disso, a nova estratégia da empresa também envolve as picapes que serão lançadas nos próximos sete anos, porém, os carros não serão totalmente elétricos, alguns sendo híbridos plug-in para ainda aproveitar os propulsores a gasolina e diesel nos primeiros anos da mudança.
Um dos fabricantes que mais atrasaram sua chegada ao mercado de carros elétricos e híbridos, a PSA agora parte direto para a massificação do uso de energia em seus produtos como parte do movimento global do mercado automotivo. A ideia é oferecer 40 modelos híbridos plug-in e elétricos das marcas Peugeot, Citroën, Opel, Vauxhall e DS até a metade da próxima década.
De acordo com Carlos Tavares, a intenção é que a PSA se torne o “o fabricante de automóveis mais eficiente”, embora adiante que o objetivo não é ser o maior do mercado. Preparando o terreno para uma entrada definitiva nos EUA, onde o CEO do grupo discursou para um congresso do site Automotive News, a empresa pretende fazer 124 lançamentos em seis regiões do mundo até 2024.
Além disso, Tavares confirmou o desenvolvimento do primeiro modelo elétrico que será lançado nos EUA. Este projeto está sendo executado na Europa, mas a equipe de engenharia é americana. Porém, não revelou qual a marca que estreará a PSA no país, mas confirmou que os produtos da Opel terão certificação de segurança no padrão exigido nos EUA, indicando que a marca alemã deverá seguir para a América do Norte nos próximos anos. O plano do fabricante francês é estar presente completamente até 2026.
Isso, no entanto, não significa que ela será a primeira. Muitos apostam na DS como ponta de lança da estratégia da PSA nos EUA, entrando com carros elétricos e já integrados no plano de compartilhamento e serviços de mobilidade que a empresa começou a operar no país. Outro ponto revelado por Tavares é que a montadora investirá pesado em condução autônoma limitada, alcançando 80% da gama até 2030, mas 10% terão automação em níveis 4 e 5. Ou seja, uma condução plena sem a presença do motorista.
Com pressão ambiental na Europa e, em especial, na China, a PSA não tem escolha senão mergulhar de cabeça nos carros portadores de baterias. Além disso, como o futuro nos EUA já está sendo traçado da mesma forma, essa é a oportunidade perfeita para se fixar no país e conquistar os consumidores que começarão a mudar para a nova realidade do mercado automotivo mundial em seus primeiros anos.
Fonte: noticiasautomotivas 

2018-01-26