Nissan Frontier argentina terá modificações

Nissan Frontier argentina terá modificações

A Nissan inicia agora no segundo semestre a produção da picape Frontier na fábrica de Córdoba, Argentina. O modelo que até então estava vindo do México para Brasil e América Latina, terá uma série de modificações na sua versão feita na América do Sul.

A fábrica é a mesma onde serão produzidas a Renault Alaskan e a Mercedes-Benz Classe X, que usam a Frontier como base. As três serão mostradas como novidade durante o Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro.

Entre as modificações que serão apresentadas na Frontier argentina estão melhorias no acabamento e alterações na carroceria do modelo. Isso pode significar novas versões, já que a Frontier tem uma das menores gamas entre as picapes médias no mercado – apenas duas SE e LE.

Sistema de direção, suspensão, estabilidade, aceleração e frenagem serão revistos. O isolamento acústico da picape foi melhorado. Passaram por revisão também os sistemas elétrico e eletrônico do modelo e o ar-condicionado para garantir melhor resfriamento. A parte de vedações também foi reavaliada.

O trem de força seguirá sem modificações. É o motor quatro-cilindros 2.3 biturbo, diesel, de 190 cv e 45,8 mkgf. A transmissão é a automática de sete marchas e a tração 4×4 reduzida com acionamento por seletor.

Curta a página do Jornal do Carro no Facebook

Motivação
Segundo a marca, as modificações são resultado de estudo dos três anos de vendas do modelo na América Latina. As melhorias foram pensadas para atender o uso da picape em condições mais agressivas que as encontradas no México e na América Central. Entre elas o uso agrícola e na indústria de mineração. Da Argentina, ela será exportada para Brasil, Colombia, Chile, Paraguai e Peru.

ELES NÃO VENDERAM NADA NA PRIMEIRA METADE DO ANO
O ano já está na metade, mas, para alguns modelos, é como se 2018 mal tivesse começado. Suas vendas no primeiro semestre foram irrisórias. Um desses carros é o Hyundai Elantra, que teve apenas 683 unidades emplacadas, de acordo com dados da Fenabrave.

Fonte: Jornal do Carro Estadão

2018-07-14