As

As "belas" e as "feras" dos carros vendidos no Brasil

Beleza é um conceito subjetivo, mas alguns carros conseguem ser unanimidade quando apresentam desenhos "pouco convencionais" e que acabam não agradando muita gente. Curiosamente, vários carros são ótimos produtos, apesar do visual discutível. Consideramos também a modernidade da linha e a adequação ao segmento para citar alguns modelos.

O Toyota Etios sedã é um deles. Desenhar um sedã que seja propriamente bonito (ou pelo menos algo melhor do que "sem graça") é difícil, mas O pequeno Toyota acabou exagerando na dose. O modelo é gostoso de guiar, prático, espaçoso, econômico e eficiente, mas o visual definitivamente não é um de seus pontos altos. O pragmatismo do modelo se reflete nas linhas que lembram modelos mais antigos, de meados dos anos 2000.

O contrário ocorre justamente com um modelo que foi lançado quase ao mesmo tempo, em 2012. O Hyundai HB20 chamou atenção pelo visual descolado e com menos ar de "carro de entrada". As linhas atraentes conquistaram o público logo, e o visual ainda é corroborado por um bom conjunto mecânico. O HB20 até já está envelhecendo, mas ainda tem poucas rugas.

Entre os médios, o Cruze hatch chama atenção pelo visual instigante. Com muitos vincos e recortes na carroceria, tem bastante apelo visual. Seu maior concorrente, o VW Golf, é elegante, mas não dá pra negar a maior emoção nas linhas do Cruze.

Numa discussão entre feios e bonitos, difícil não deixar de fora a Chevrolet Spin. A minivan ganhou um belo "tapa" recentemente, que melhorou bastante sua presença, mas as linhas gerais ainda estão lá. A primeira fase do modelo ainda é bem comum nas ruas e chama atenção pelo visual de caixote e os vincos na carroceria.

SUVs
Entre os SUVs, é difícil eleger um "Mister Brasil", embora modelos como Jeep Renegade esteja entre os com mais personalidade, justamente por suas linhas quadradonas. Pelo menos, não há nenhum modelo que vá "assustar as criancinhas" ao circular por aí.

Fonte: Jornal do Carro

2018-10-26