As versões do Chevrolet Prisma que mais (e menos) desvalorizam

As versões do Chevrolet Prisma que mais (e menos) desvalorizam

São Paulo — Desde o seu lançamento, em 2006, o Chevrolet Prisma é um sedã compacto que caiu no gosto dos brasileiros. A pedido do site EXAME, a KBB Brasil levantou as taxas de desvalorização das versões do Prisma no mercado.

Segundo a KBB, o levantamento mostrou que, quando se trata da aquisição de um automóvel, o brasileiro realmente leva em consideração o nível de equipamentos. A versão que menos desvaloriza nos dois primeiros anos de uso é a LTZ 1.4 8V FLEX, com redução de 8,82% de valor no segundo ano de uso e de 3,65% no primeiro ano.

No outro extremo da desvalorização, ficou o Prisma Joy. Além de ter a aparência antiga do carro, anterior à reestilização, ele é o mais barato da linha. O valor do Joy cai 18,52% após dois anos de uso. É mais do que o dobro do que o LTZ apresenta de perda.

Fonte: Exame

2019-01-14