Fusca, Escort e Maverick: relíquias do Museu do Automobilismo Brasileiro.

Fusca, Escort e Maverick: relíquias do Museu do Automobilismo Brasileiro.

Passo Fundo (RS), a 289 km de Porto Alegre, tem forte ligação com o automobilismo desde os anos 40. Teve um circuito urbano, dois autódromos e, até hoje, pilotos locais que vencem corridas e campeonatos em todo o Brasil.

O empresário e ex-piloto Paulo Trevisan passou a vida nesse ambiente. De sua paixão pelo esporte, surgiu o seu Museu do Automobilismo Brasileiro, único de porte no país dedicado só a modelos de competição, com 130 unidades.

Trevisan começou a guardar seus carros em 1986: um Gordini que pilotou em pistas de terra, um Berta de F2 e um Muffatão. Hoje, o modelo mais antigo é o Ford T biposto da Mecânica Nacional, de 1925.

O museu possui também uma gigantesca documentação (fotos, filmes e publicações). A sede atual, com cinco pavimentos, foi concebida para essa finalidade e inaugurada em 2015.

Restaurar carros de corrida é tarefa à qual Trevisan se entrega com amor. “Eles são modificados ao longo de sua vida útil e depois servem de doadores de componentes. Raros ficam completos”, explica.

Quase sempre, é nesse ponto que ele os resgata.

Quando não há certeza sobre quem correu no carro ou a quem pertenceu, é restaurado como tributo. O objetivo é deixá-los em condições para apresentações e até andar em autódromos.

Trevisan prioriza modelos originais. Abriu exceção para dois veículos desaparecidos: o Carcará (primeiro recordista brasileiro de velocidade homologado pela FIA, em 1966: 213 km/h) e o monoposto Landi-Bianco de Fórmula Júnior, ambos com mecânica DKW.

Toni Bianco, construtor de ambos na época, recriou só para o museu o Carcará II e o Landi-Bianco chassi 6 (nos anos 60, foram cinco).

O carrozziere Bianco restaurou o Maserati 4CM 1938, que, junto com o Maserati 4CLT, vencedor da inauguração do autódromo de Silverstone em 1948, são o que Trevisan chama de “cerejas do bolo” do museu.
Fonte: quatrorodas

2019-04-13