Sueco Volvo XC90 R-Design Híbrido.

Sueco Volvo XC90 R-Design Híbrido.

Sueco Volvo XC90 R-Design Híbrido põe pimenta na briga com o rival Britânico Range Rover Velar. SUV grande de luxo ganha pacote de visual esportivo para neutralizar o bom desempenho do Velar e tentar uma revanche contra o inglês. Foi uma vitória contra a Suécia que credenciou a passagem da Inglaterra para as semifinais da Copa do Mundo da Rússia, em 2018. Agora, os nórdicos querem uma espécie de revanche contra os britânicos em solo brasileiro. No lugar dos gramados, as pistas: para neutralizar o bom desempenho em vendas que o Range Rover Velar vem imprimindo por aqui, o XC90 acaba de ganhar o pacote R-Design que deixa o seu visual mais esportivo, ao preço de R$ 429.950. A configuração passa a ser oferecida no XC90 T8, aquele com conjunto mecânico híbrido. A estratégia é incrementar as vendas do grandalhão de cerca de 900 para até 1.100 unidades ao ano, diminuindo a ínfima distância entre ele e o Velar nos próximos meses. Só de bater os olhos, é evidente que os dois modelos têm propostas bastante diferentes no visual. Enquanto o XC90 é clássico sem abandonar a esportividade, o Velar é justamente o contrário: um SUV com total apelo esportivo. O estilo clássico vem no DNA, junto com a origem britânica. Já adianto que o kit R-Design é modesto na tarefa de tornar o XC90 mais esportivo. Nesse quesito, o Velar segue com um gol de vantagem. Porém, a novidade é suficiente para dar mais bons argumentos a quem quer levar o utilitário de luxo sueco para casa: novos para-choques dianteiro e traseiro, grade pintada de preto e duas novas cores (preto e vermelho). As rodas de 22 polegadas são as maiores de série oferecidas pela Volvo em seus carros no Brasil, e completam o pacote. Já na cabine, o modelo ganha revestimento de couro e Nubuck nos bancos e no volante, jogos de carpete exclusivos e chave presencial com o mesmo revestimento dos assentos. Além disso, há diversos detalhes na cabine feitos de fibra de carbono. Vale lembrar que o XC90 T8 R-Design tem sete lugares, dos quais os dois últimos podem ser rebatidos, ficando completamente planos no assoalho do porta-malas.
E o desempenho?

Segundo a Volvo, a disposição do SUV já era suficiente, nem faria sentido aumentar a potência, já que a montadora vai limitar a velocidade máxima de todos os seus carros a 180 km/h a partir de 2020. O conjunto associa o motor 2.0 turbo de 234 cv e outro elétrico de 88 cv. Combinados, os dois entregam 412 cv e 65,2 kgfm. O câmbio é automático de oito velocidades e a tração é integral.
Isso é o suficiente para levar o grandalhão de 2.319 kg a 100 km/h em 5,6 segundos, de acordo com a montadora. É o bastante para deixar o Velar ligeiramente para trás nessa mesma prova. O que mais agrada no XC90 é a forma pela qual ele combina conforto, silêncio e bom desempenho. Se o motorista pisar de leve no acelerador, apenas o motor elétrico será acionado em boa parte dos trajetos urbanos. O conjunto de suspensão a ar é excelente: filtra bem as irregularidades e completa o ajuste dinâmico. No modo off-road, a distância em relação ao solo aumenta significativamente, o que deixa o carro mais gostoso de dirigir. Entretanto, as rodas aro 22 com pneus de perfil baixo são avessas aos buracos. O XC90 ainda se destaca pelos sistemas de condução semiautônoma. Não chega a ser um 7 x 1 no Velar, mas o Volvo disfarça sob seu visual mais sóbrio um nível de tecnologia ainda raro hoje em dia.
Fonte: infocarro

2019-05-14