As armas da indústria automotiva contra a espionagem

As armas da indústria automotiva contra a espionagem

A indústria automotiva vive há anos um jogo de “gato e rato” para manter em segredo – ou tentar – os detalhes de seus lançamentos. A espionagem tem hoje aliados a cada esquina. Diariamente, a imprensa especializada recebe de seus leitores imagens de flagrantes de automóveis que ainda circulam pelas ruas em fase de testes. Técnicas de camuflagem da Ford foram aprimoradas para esconder os protótipos e as informações que precisam ser mantidas em sigilo até o lançamento oficial do modelo.

A montadora abandou o velho conceito de uma capa de vinil em preto para esconder o que está por trás dela. Um método mais eficiente elaborado pela americana consiste em adesivos de vinil com padrões que enganam os olhos e escondem as linhas da carroceria. Essas linhas criam uma ilusão de ótica que esconde as linhas da carroceria. As fotos ficam difusas e dificultam a visualização de detalhes.

Leia também: Técnicas de tortura medieval aplicadas em testes de durabilidade dos carros

“Todas as técnicas que desenvolvemos vêm da nossa própria experiência. Nesse particular, a indústria automobilística é única e não temos nenhuma outra para seguir nessa área”, diz Kevin George, gerente de Design da Ford.

As técnicas de camuflagem da Ford têm vários estágios de desenvolvimento, de acordo com a proposta. Os adesivos são universais e não precisam ser feitos especificamente para cada veículo, como ocorria nos tempos das lonas de vinil. O carro não fica mais pesado, não retém calor e nem afeta a aerodinâmica. Desta forma, os testes estão mais precisos.

Fantasiado
Os carros da Ford podem até ganhar falsos elementos para dificultar 

ainda mais a percepção do que vem por aí. O time de camuflagem desenvolveu técnicas para mudar os painéis e até a estrutura da carroceria. Aumentar a largura ou a altura é uma das táticas para esconder suas reais dimensões dos “paparazzi”.

“Esse trabalho que fazemos é crucial para manter a Ford competitiva em uma indústria em constante evolução”, diz John LaQue, supervisor de Planejamento e Construção de Protótipos da Ford. “Quando conseguimos lançar um carro sem que uma foto não camuflada seja revelada antecipadamente, significa que fizemos bem o nosso trabalho”.

Fonte: radarnacional

2016-03-02